Botequim Cultural/Crítica: Estreia Meninos e Meninas

Por Renato Mello

Estreou neste último fim de semana um espetáculo voltado para o público adolescente, que pelo frisson causado nos corredores do Shopping da Gávea, promete transformar-se num fenômeno teen. Trata-se do musical “Meninos e Meninas”, dirigido por Afra Gomes e Leandro Goulart, em cartaz no Teatro das Artes.

Amor, amizade, bullying, sexo, anorexia, saudade, pais, morte e vida. Todos esses temas tão presentes na adolescência são retratados em cena por um elenco de quase 20 atores que expressam todos esses sentimentos, interpretados com um misto de humor e emoção, através de uma sucessão de pequenas histórias dentro de uma grande história sobre cada um desses 20 personagens que vivem o que talvez seja o mais complexo período de nossas vidas. Período determinante na formação dos nossos valores, do caráter, fase das descobertas e das grandes mudanças fisicas.

A peça tem um texto bastante ágil e conta com uma direção extremamente dinâmica, por vezes ousada, não deixando de ceder espaço para a reflexão e emoção. A dupla de diretores criou ainda um interessante cenário para contextualizar o espetáculo, formado por uma sucessão de andaimes montados de maneiras distintas e disformes ao longo do palco, dando diversos relevos e concepções para as inúmeras situações criadas.

Bruna Griphão, Eduardo Melo, Anna Rita Cerqueira, Lucca Diniz, João Côrtes, Lucas Cotrim, Bruna Natali, Francciny Castro, Ingrid Klug, Luã Bregeron, Lucas Corsino. Lucas Vargas, Luiza Lapa, Matheus Tederiche, Nicolas Prattes, Vittoria Vianna, Wesley Cordeiro e Yasmin Candido formam o vasto elenco do espetáculo que atua com enorme competência, carisma e com o equilíbrio concebido pela dupla de diretores, aonde cada ator tem seu momento de protagonismo de maneira quase homogênea. Mas apesar de uma certa equidade em cena é possível pinçarmos alguns destaques individuais em meio a boa atuação coletiva. Luiza Lapa chama bastante atenção, não apenas pelo seu desempenho cômico, mas principalmente pelos seus dotes vocais, em que é possível afirmar que trata-se de uma atriz que merece ser observada com atenção pelos grandes criadores do teatro musical brasileiro. Também podemos destacar Bruna Griphão e Lucca Diniz. Lógico que é impossível tirar os olhos de João Cortês, ator que se transformou, justamente, numa estrela do mercado publicitário pelas suas divertidíssimas atuações como “garoto-propaganda” da Vivo. Ator de presença forte, personalidade e que possui tipo físico fora dos padrões pré-estabelecidos pela ditadura da televisão.

Apesar do espetáculo abordar temas ligados ao universo adolescente, mesmo para mim que saí dessa fase há quase 30 anos, foi possível me identificar com os problemas, assuntos, comportamentos e angústias que separam nossas gerações e concluir que apesar de 3 décadas terem se passado, mudaram as estações, mas na essência nada mudou. A peça é um retrato da geração denominada como Y, aquela já nascida sob o pleno avanço da era tecnológica. Foi possível para mim enxergar os mesmos dilemas existenciais da minha geração, aquela conhecida como X, que nasceu num mundo muito diferente e que foi pega no meio do processo dessa revolução tecnológica, tendo que correr atrás do conhecimento para não ficar precocemente obsoleta.

“Meninos e Meninas” acaba por demonstrar que o tão propalado choque de gerações, lá no fundo não é um abismo assim tão grande de se transpor. Os adolescentes vibram e se emocionam visivelmente com o espetáculo, mas mesmo quem já tiver passado dessa fase da vida, pode rir e ver em cena aquele adolescente que um dia existiu dentro de si. Não resta dúvida, com “Meninos e Meninas” estamos diante de um espetáculo que tem todo o potencial para se transformar numa febre entre o público adolescente.

Artigo completo em: Botequim Cultural | Estreia Meninos e Meninas